Espírito Santo dá início a novo marco na extração de petróleo

Começa hoje um novo ciclo da extração de petróleo no país. A produção na camada marinha de pré-sal terá, hoje, seu primeiro poço perfurado, abaixo do campo de Jubarte, no Litoral Sul capixaba.

Oficialmente e diante de autoridades nacionais, informou a Petrobras, a produção terá início apenas no dia 2 de setembro, quando o presidente Luiz Inácio Lula da Silva visitará o Estado, e a plataforma P-34 entrará em operação.

As descobertas em águas ultraprofundas abaixo da camada de sal se transformaram na mais nova fronteira petrolífera do país. Apesar de a mais comentada reserva do pré-sal ser a do campo de Tupi, na Bacia de Santos (SP), a produção começará no Espírito Santo, já que o Estado possui estrutura já montada: de gasodutos a navios-plataforma.

O objetivo da companhia é, em cinco anos, chegar à produção de 500 mil barris por dia no Litoral Sul. Ainda sem falar em volume, a Petrobras confirmou, no mês passado, que o poço ESS-103 já está preparado para iniciar a produção que servirá de teste para a empresa, segundo o gerente do ativo de Jubarte, Mauro Coutinho Fernandes.

Os royalties da exploração na camada de pré-sal no Sul capixaba serão pagos aos municípios de Presidente Kennedy, Marataízes e Itapemirim.

Bilionário

Os investimentos no pré-sal estão incluídos nos US$ 5,3 bilhões previstos pela Petrobras para os projetos em andamento no Estado, em planejamento e em fase de licitação. As descobertas na camada de pré-sal foram anunciadas no ano passado.

A estatal não informou o volume da descoberta em Jubarte, mas somente um dos reservatórios anunciados em 2007 na Bacia de Santos (SP), no campo de Tupi, tem quantidade estimada em até 8 bilhões de barris.

Em Jubarte, campo onde a plataforma P-34 já produz cerca de 60 mil barris por dia, o início da produção será feita com o fechamento de um dos quatro poços em atividade. Parte dos equipamentos da P-34 serão ligados ao poço ESS-103 para iniciar a produção entre agosto e setembro.

O poço, que terá produção interrompida neste mês, deverá ser, novamente, colocado em produção a partir do início de 2009. Já a segunda fase da exploração da camada de pré-sal está prevista para começar no início de 2010, quando a plataforma FPSO Capixaba for deslocada do campo de Golfinho, no Norte, para o Parque das Baleias.

As recentes descobertas de petróleo na áreas do pré-sal motivaram, inclusive, exercícios da Marinha do Brasil na região, para proteger o ouro negro.

Marinha protegerá região

A Marinha do Brasil marcou, para meados de setembro, um grande exercício naval no litoral do Rio de Janeiro, Espírito Santo e São Paulo, com a participação de pelo menos 9 mil militares e mobilização de 20 navios, 40 aeronaves e 250 outros veículos militares.

A Operação Combinada Atlântico, orçada em R$ 15 milhões, acontecerá um mês depois de iniciada a exploração de petróleo abaixo da camada de sal no Campo de Jubarte, litoral capixaba, e dois meses depois de os Estados Unidos reativarem a Quarta Frota, comando naval que tem a missão de vigiar as águas do Atlântico e do Caribe.

O foco da operação é o treinamento militar para proteção das reservas petrolíferas, afastando do litoral brasileiro, como dizem os oficiais da Marinha, "presenças indesejáveis". Além disso, a Força quer reforçar a importância da defesa das riquezas brasileiras e mostrar que os navios-patrulha e helicópteros estão "aquém do necessário".

A Marinha quer dobrar de 18 para 36 o número de navios-patrulha para proteger a chamada "Amazônia Azul". As Forças Armadas também querem treinar a defesa de toda a infra-estrutura terrestre associada à indústria petrolífera, na região entre o Espírito Santo e São Paulo.

Potência

Entre 5 e 8 bilhões de barris é a estimativa da reserva do pré-sal no campo de Tupi, na Bacia de Santos (SP), o 1º a ser descoberto na região. Os números são da Petrobras. Os dados extra-oficiais dão conta de 50 bilhões de barris.

Voltar