Produção de gás na Rússia é quarenta vezes a nossa

A produção mundial de gás natural continuou a crescer em todas as regiões do planeta durante o ano de 2007, com exceção da Europa Ocidental, que teve pequena redução. O crescimento, entretanto, foi muito discreto, bem menor que o observado nos três anos anteriores – somente nos Estados Unidos houve acréscimo um pouco mais substancial, 2,2% sobre 2006 (OCJ, 23/06/08).


No total, a produção mundial chegou a 2,9 trilhões de m³ (100,9 trilhões de pés³), ou 7,8 bilhões de m³/dia em média. Este volume corresponde a 1,6% das reservas mundiais provadas, uma percentagem que não deveria despertar maiores preocupações, ainda mais que o volume extraído foi praticamente coberto com a incorporação de novas reservas (na realidade, há preocupações, como se vê em nossa matéria “Três países detêm 57,1% das reservas provadas de gás natural”, em “Produção – Reservas de gás”).


A Rússia domina o quadro dos maiores produtores, com 2,2 bilhões de m³/dia, 27,7% do total produzido, quase a mesma percentagem que o país detém das reservas provadas (27,2%). O segundo lugar cabe aos Estados Unidos, com 1,5 bilhões, 19,8% do total mundial – produção, entretanto, insuficiente para seu consumo, que tem que ser complementado por importações via gasodutos provenientes do Canadá, e de GNL de diferentes procedências, principalmente Trinidad & Tobago.


Para apreciação mais detalhada dos maiores produtores mundiais de gás natural, listamos abaixo os vinte primeiros em 2007, segundo dados da publicação especializada Oil & Gas Journal.

O Brasil, com uma produção média em 2007 de 49,9 milhões de m³/dia, ou 18,2 bilhões de m³ anuais (ANP, fev/08), 43 vezes menor que a Rússia, não entra na lista dos vinte “top gas producing countries 2007”. A exclusão também ocorre com a Bolívia, cujos números são ainda menores. Teremos que aguardar a concretização das muitas frentes em que estamos trabalhando, uma espera de ainda alguns anos.



Voltar