Petrobras estuda ampliar unidades de gás no ES

O início da exploração da camada pré-sal no Espírito Santo, por enquanto apenas um poço experimental de aproximadamente 10 mil barris por dia, começa a abrir caminho para a ampliação dos negócios do setor petróleo no Estado. A Petrobras já estuda a ampliação da capacidade de processamento de gás da estação de tratamento que está sendo construída no município de Anchieta, sul do Estado. A capacidade pode passar dos 2,5 milhões de metros cúbicos do projeto original para até 15 milhões, isso contando apenas com as áreas do pré-sal já licitadas, ou seja, fora do alcance de possíveis mudanças na legislação.

O secretário de Desenvolvimento Econômico do Espírito Santo, Guilherme Dias, disse que o Estado já estuda a "viabilização de áreas" para permitir a expansão da unidade que, no planejamento original, vai custar R$ 400 milhões.

Cuidadoso, o gerente-geral da Unidade de Negócios do Espírito Santo da Petrobras, Márcio Félix, disse, por intermédio da assessoria de imprensa da estatal, que a ampliação por enquanto "é apenas uma hipótese" e que dependerá dos investimentos que a Petrobras está fazendo em exploração.

A necessidade de ampliar a estação vem do fato de o petróleo do pré-sal ser do tipo leve, que tem mais gás associado. A produção em caráter de teste no poço ESS-103, campo de Jubarte, começou no dia 2 de setembro, mas a expectativa é que em 2010 outros poços entrem em operação. No norte do Espírito Santo a Petrobras já produz 8 milhões de metros cúbicos de gás por dia, basicamente do campo de Golfinho, e deve chegar a cerca de 20 milhões. O tratamento desse gás é feito pela estação de Cacimbas, município de Linhares.


Anchieta será a sede da produção de petróleo e gás da Petrobras no sul do Espírito Santo. Além da estação de tratamento de gás, a empresa deverá começar a construir, no próximo ano, uma base de suprimento e apoio à produção, incluindo um pier na praia do Além, semelhante à existente em Macaé (RJ), a maior do país. Segundo o secretário Dias, a base está em fase de licenciamento ambiental.


Um outro porto da Petrobras no Espírito Santo começa a ser construído ainda este ano, localizado em Barra do Riacho, município de Aracruz, ao lado do terminal de celulose da Aracruz (Portocel). O investimento previsto é de R$ 500 milhões. Segundo Dias, a licença ambiental para a obra deverá sair ainda este mês, da mesma forma que o contrato de funcionamento com a Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa). O porto vai escoar gás de cozinha (GLP) e C5+, a fração mais rica do gás natural, provenientes da estação de Cacimbas.


Dias disse ainda que, levando em conta as necessidades de equipamentos para a exploração e produção de petróleo no mar, o Estado vem negociando com grupos privados a concessão de uma área para a instalação de um estaleiro para construir navios e plataformas. Além disso, considerando a disponibilidade de gás nos próximos anos, o governo estadual conversa com grupos privados e com a própria Petrobras a instalação de unidades de fertilizantes (uréia).

Voltar