GNV diminui custo dos veículos


Para regulamentar os veículos que são adaptados é necessário que o serviço tenha sido feito em um local certificado pelo Inmetro

Agência Estado

O uso do gás natural veicular, menos poluente que o álcool e a gasolina, é também disparadamente o mais barato hoje. E por isso é o preferido para quem usa muito o carro, como frotistas e taxistas. A Volkswagen, por exemplo, é uma das poucas montadoras a oferecer o kit GNV como item de fábrica para seis veículos: Gol, Kombi, Parati, Polo (sedã e hatch) e Saveiro. "O GNV é uma demanda dos nossos clientes, especialmente frotistas, que correspondem a 80% dos consumidores do carro equipado com o opcional", diz Renato Bernardes, gerente de Vendas Especiais da VW.

Desde quando o GNV foi concebido como combustível em potencial, surgiram várias oficinas de conversão para gás natural. "Adaptar o kit GNV é muito mais agressivo do que fazer a conversão de um carro que é gasolina para álcool", afirma o instrutor Técnico da Bosch Carlos César Carvalhais.

Ele explica que o GNV exige adaptações do sistema de gerenciamento eletrônico do carro, assim como das tubulações. E também é necessário fazer um reforço das molas das suspensões e do sistema de amortecimento do carro, em razão do peso do cilindro. "O veículo que já sai de fábrica com a opção GNV é melhor em suas funções técnicas - o que reflete no desempenho, assim como esteticamente", diz Carvalhais.

Para regulamentar os veículos que são adaptados é necessário que o serviço tenha sido feito em um local certificado pelo Inmetro. E anualmente, o carro precisa passar por vistoria técnica.

Silnei Claudino, consultor técnico da empresa de conversão Alphagas, de São Paulo, (11-3961-1515), explica que o preço do kit varia com o tamanho do cilindro, o ano do carro e a tecnologia de adaptação.

BOXE

OS DIFERENCIAIS:

KIT DE CONVERTEDORA

Preço menor

Independe da idade do veículo

Selo do Inmetro

KIT DE FÁBRICA

Permanência da garantia de fábrica

Só para carros zero Km

Componentes preparados para o gás

fonte
http://www.jornaldoestado.com.br/index.php?VjFSQ1VtUXlWa1pqU0ZKUFVrZDRVRlZyVmtabFJsSldWVzVLYVZadVFsWlVWV2gzVkcxU05rMUVhejA9

Voltar