Motos rodam melhor na estrada em rotas seguras

Antes de pôr o pé na estrada, confira as condições das estradas e o ranking das melhores rodovias do país

O verão chegou! É a hora das tão sonhadas férias. Colocar a moto na estrada e rodar com segurança. Mas, antes de qualquer coisa, é imprescindível uma revisão preventiva em sua motocicleta, além de usar equipamentos de segurança adequados. Outra dica importante é definir rotas e destinos tendo como referência as condições das estradas. Assim sua viagem de férias será mais tranqüila.

Para checar o estado de conservação das rodovias há dois caminhos. Primeiro: consultar o site do Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (DNIT), órgão do Ministério dos Transportes. A segunda opção é conferir a Pesquisa Rodoviária elaborada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT). Em ambos os casos é possível mapear as reais condições das rodovias.

No portal do DNIT - www.dnit.gov.br - é possível verificar as condições das estradas e calcular a distância entre duas cidades. No site o motociclista pode baixar mapas rodoviários, além de obter dicas de primeiros socorros.

Já a Pesquisa Rodoviária da CNT - www.cnt.org.br - avaliou 87.592 km de rodovias em todo país. Esta extensão abrange toda a malha rodoviária federal pavimentada e também os principais trechos sob gestão estadual e sob concessão. Foram analisados o estado geral de conservação, levando em consideração as condições do pavimento, sinalização e geometria da via. Também foi realizado um levantamento das infra-estruturas de apoio como, por exemplo, a presença de borracharias, praças de pedágio, balanças e postos da polícia rodoviária.

Dos 87.592 km percorridos pelas equipes da CNT em 2007, 26,1% (22.893 km) foram avaliadas positivamente. Já 73,9% (64.699 km) apresentaram algum tipo de deficiência. Ou seja, da malha nacional, 10,5% (9.211 km) obteve classificação ótima; 15,6% (13.682 km), boa; 40,8% (35.710 km), regular; 22,1% (19.397 km), ruim e 11,0% (9.592 km), péssimo. Confira no quadro os melhores trechos rodoviários do país.

Cuidados básicos

Para viajar com maior segurança, a moto deve estar revisada e com os pneus calibrados. Além disso, seja visto. Nunca trafegue pelo corredor. Cuidado com os “pontos cegos” de carros e caminhões. Fique atento ao ultrapassar grandes carretas. O deslocamento de ar gerado em altas velocidades pode desestabilizar a moto.

Na estrada, a motocicleta deve ocupar o espaço de um carro. Viaje com o farol sempre aceso e nunca pare no acostamento. Pare em um posto de gasolina, nos praças de atendimento das concessionárias ou nos postos das polícias rodoviária federal ou estadual.

Não viaje à noite. Prefira sair bem cedo. Ao amanhecer, o corpo está descansado e os reflexos, apurados. Assim a viagem renderá mais. No almoço, procure ingerir alimentos leves. Não se esqueça de se hidratar. Além disso, use equipamentos de proteção: luvas, jaqueta, calça, botas e capacete fechado. Pense no seu conforto, mas também em sua segurança.

Lembre-se, o motociclista é mais vulnerável. O piloto não tem uma carroçaria a sua volta para lhe proteger. Por isso, encare a compra de equipamentos como um investimento (em segurança), não como um gasto.

Para Antonio Baccaro Jr, inspetor da Polícia Rodoviária Federal, o motociclista deve rodar na estrada com segurança e responsabilidade, observando os limites de quilometragem. “Em uma viagem em grupo, aumente a distância da moto que está a sua frente. Em caso de chuva, reduza a velocidade”, explica o policial rodoviário.

Voltar