Panorama latino do mercado de GNV

O consumo de GNV continua crescendo em toda América Latina. Hoje são quase quatro milhões de automóveis circulando no continente, sendo possível registrar consideráveis aumentos no número de conversões e na quantidade de postos de abastecimento capazes de fornecer o combustível gasoso a um número ainda maior de cidades

O uso massivo do energético é impulsionado pelos governos latino americanos, através de medidas e incentivos com o respaldo de entidades estatais competentes na regulação, controle e vigilância desta indústria. Diferentes iniciativas e campanhas privadas contribuem para aumentar as conquistas do setor, seja concedendo financiamento para as conversões, descontos em impostos ou comunicando os benefícios da escolha de um combustível menos poluente e mais econômico no mercado.


Na América Latina, 704 cidades já contam com acesso ao energético conforme os últimos dados obtidos pelo NGV Communications Group. São cerca de 4.215 postos de abastecimento comercializando gás natural veicular aos 3.755.722 veículos que circulam pelas ruas do continente.

Brasil

O setor no país encontra-se em um momento de revitalização, criando boas expectativas para o ano que se inicia. Existem hoje 1.688 postos de abastecimento, distribuídos em 20 estados e 274 cidades, que abastecem a população com o combustível ecológico. Com aproximadamente 643 oficinas de conversão e 1.588.331 veículos convertidos, o consumo mensal gira em torno de 195.117.100 m³ de gás.

As expectativas para 2009 acompanham o desempenho positivo do mercado de gás no país em 2008. O aumento no número de veículos convertidos para GNV foi de 5,19% enquanto o crescimento da rede de postos de distribuição do combustível foi de 7% em comparação com 2007.

Com a queda no preço do barril de petróleo, 2009 deverá ser um ano de redução nos preços do gás, o que poderá deslanchar o mercado de GNV no Brasil.

Argentina

O país ocupa o primeiro lugar a nível internacional em quantidade de veículos a GNV, onde estão em circulação mais de 1.745.677 veículos movidos pelo combustível, com 1.801 postos de abastecimento disponibilizando o energético. São mais de 1.000 oficinas de instalação certificadas, 19 estados e 322 cidades que contam com o abastecimento. E, em 2008 a média de conversões alcançou cerca de 5.000 unidades mensais.

Para este ano, a Câmara Argentina de Gás pretende lançar um plano que permitirá o financiamento de equipamentos de GNV ao usuário final e aumentará ainda mais o número de conversões.

A Argentina está à frente de todas as estatísticas mundiais do segmento, porém os números permitem contabilizar que a aceitação do gás natural veicular não é exclusiva do país portenho, e sim da América latina.

Colômbia

O desenvolvimento e a aceitação do GNV respondem às necessidades e à realidade de cada país em específico. Na Colômbia, o ano que acabou deixou um balanço positivo para a indústria. Apesar da manutenção no nível de conversões, os números oficiais indicam que já existem mais de 274.100 veículos convertidos em todo país.

Para o país seu uso traz benefícios econômicos por não ser um combustível subsidiado, diferente da gasolina e do diesel. Por ser mais competitivo, é possível fazer um sistema com maior cobertura melhorando a qualidade de vida dos usuários.

Para este ano, o governo colombiano espera superar as 40.000 conversões anuais, o mesmo que buscará alcançar em 2010. Entretanto o início do funcionamento dos sistemas de transporte massivo movidos a GNV gera grande expectativa. Espera-se que em 2020 o aumento no consumo de gás veicular seja próximo de 8,8%, com a incorporação de 400.000 veículos durante a década.

Peru

Em meados de novembro os veículos convertidos chegaram a 53.452 unidades, com um número de conversões mensais superior a 3.600 veículos, segundo dados da Câmara Peruana de Gás Natural Veicular (CPGNV). De acordo com as estimativas da entidade, no final de 2008, a meta proposta seria superada, ao alcançar 60.000 veículos a GNV.

Com relação à rede de abastecimento do combustível, os peruanos já podem fazer uso dos 56 postos operantes, enquanto espera-se a finalização das obras em outros 25 estabelecimentos e também a construção e operação de duas fábricas de compressão de gás, a cargo das empresas GNC Energía Perú e Neogás Peru, que permitirão levar o energético aos lugares que não contam com rede de gasodutos, nos departamentos (estados) de Lima e Callao.

A conversão da frota de transporte público de passageiros recebeu um grande impulso com a realização do Corredor Metropolitano na capital peruana; um novo sistema de transporte massivo que utilizará ônibus a GNV e que operarão em vias exclusivas. O sistema estará em pleno funcionamento no final deste ano ou início de 2010, permitindo atender cerca de 700 mil passageiros por dia e agilizando o trânsito na cidade, cuidando da qualidade de vida e economia dos limenhos.

O governo peruano promove o programa Mi Taxi, um plano dedicado a facilitar a aquisição de veículos a GNV. Graças a um inovador sistema de financiamento, o motorista pode saldar parte de seu crédito cada vez que abastece seu veículo com o combustível gasoso.

O desenvolvimento é de tal magnitude que até o presidente Alan García destacou suas vantagens e benefícios.

Venezuela

Na Venezuela a conversão é gratuita e se manterá sem custos pelo menos até 2010. Os incentivos oficiais para massificar a cultura deste combustível também incluem as oficinas mecânicas aonde se realizam as conversões, já que as mesmas recebem 100 bolívares fortes por cada unidade.

O presidente venezuelano Hugo Chávez anunciou que planeja aplicar um programa para trocar veículos velhos que consomem grande quantidade de gasolina por novas unidades propulsadas a gás natural veicular. Já a estatal PDVSA está desenvolvendo o programa Autogas que obteve grande resposta em 2008. Atualmente, 4.200 automóveis foram convertidos; são 124 pontos de abastecimento em todo país e 51 oficinas com captação e pessoal especializado.

Os objetivos principais são consolidar a infra-estrutura necessária para que os veículos a GNV possam ter acesso ao combustível gasoso; superar as 500.000 conversões; fabricar veículos com sistema dual de combustível (gás e gasolina), de acordo com a resolução 191 do Ministério de Energia e Petróleo e de Indústrias de Consumo e Comércio. O texto estipula que 30% dos veículos comercializados em 2009 tenham a opção GNV, incluindo também os veículos importados, que deverão ser vendidos com o equipamento necessário.

Até agora foram convertidas as frotas que prestam serviços para a companhia estatal, assim como aquelas pertencentes a alguns ministérios, mas espera-se alcançar a metanização das unidades que integram o parque automotor privado de todo território venezuelano.

Bolívia

O presidente Evo Morales colocou em prática um plano para subsidiar neste ano o custo das conversões. Segundo explicou o vice-ministro de Hidrocarbonetos, William Donaire, o programa foi aprovado por meio de um decreto, mediante o qual será criado um fundo para financiar as operações.

As conversões serão realizadas pela empresa estatal Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos (YPFB). Estima-se que em pouco tempo o governo estude as medidas necessárias para o que projeto não afete negativamente as instaladoras particulares.

Graças aos investimentos privados e oficiais, atualmente seis cidades bolivianas contam com acesso ao energético. De acordo com os últimos dados estatísticos, circulam cerca de 100.000 veículos metanizados, que se abastecem de GNV nos 123 postos operantes no país.


Fonte: Folha do GNV, jan/09.

Voltar