Veículos com etiqueta de consumo de energia já são comercializados no ES

Veículos com a Etiqueta Nacional de Conservação de Energia já estão sendo comercializados no Espírito Santo. O selo, que indica o consumo de energia, é o mesmo já disponibilizado em eletrodomésticos, como nas geladeiras, por exemplo.

Nos veículos, a etiqueta traz informações sobre o desempenho do automóvel em relação ao consumo de combustível, na cidade e na estrada. Os dados mostram o resultado em quilômetro por litro (km/l) ou quilômetro por metro cúbico (km/m3) - no caso de motores a gás natural.

As novas unidades das marcas Fiat, Chevrolet, Honda, Kia e Volkswagen já chegam às concessionárias com o selo. A etiqueta vai ajudar o consumidor a avaliar qual o melhor custo benefício. O selo vai classificar o modelo de acordo com o nível de consumo que ele apresenta.

No Espírito Santo, os trabalhos de fiscalização serão realizados por equipes do Ipem, que devem começar a verificar se os veículos são vendidos com o selo no final do mês de maio.

Para a certificação, o Inmetro dividiu os modelos em 8 categorias: subcompacto, compacto, médio, grande, esportivo, fora-de-estrada, comercial leve e comercial derivado de carro de passeio.

Os veículos receberam certificação de A a E, sendo que os que tiveram a indicação A foram os que apresentaram a melhor eficiência energética enquanto os classificados com E apresentaram os maiores índices de consumo.

A etiqueta mostra ainda o consumo urbano e rodoviário do veículo rodando com álcool, gasolina ou GNV. Este deverá ser o ponto de muita discussão entre consumidores e as montadoras.

De acordo com o Inmetro, estes valores são uma referência obtida com testes com os carros feitos em laboratórios, com maneira de dirigir e combustível padrão. Os testes seguiram padrões estabelecidos pela norma técnica 7024 da ABTN.

Durante os testes, os carros ficam sobre uma espécie de esteira, na qual são simuladas diferentes condições de tráfego. Desta forma, os computadores vão registrando os gastos de combustível.

Os testes estão sendo feitos em sete laboratórios espalhados pelo país e, embora as montadoras não sejam obrigadas a participar do programa, 19 delas - incluindo as maiores - já assinaram o termo de compromisso do Inmetro e vão começar a usar o selo no início do ano que vem.

Voltar