Fiat trabalha no carro elétrico brasileiro



fonte: Auto Estrada

Um galpão na área da usina hidrelétrica de Itaipu, em Foz do Iguaçu, estado do Paraná, abriga uma oficina de montagem e centro de testes da versão elétrica do Palio Weekend. O veículo está sendo desenvolvido conjuntamente pela fabricante de automóveis e a Itaipu Binacional, além de um grupo de empresas parceiras, como uma alternativa para o futuro próximo.

A Fiat já vem desenvolvendo seu carro elétrico nacional há alguns anos, tendo iniciado suas pesquisas com o Palio hatch. Posteriormente, a perua Weekend foi definida como mais apropriada para o estudo. Em Foz do Iguaçu, a oficina de montagem abriga cerca de uma dúzia de unidades montadas e, segundo os técnicos que ali trabalham, a estrutura tem capacidade para montar um novo carro elétrico por semana.

As carrocerias dos carros, montadas especialmente para o projeto, são feitas na fábrica da Fiat Automóveis, em Betim, MG. Em Itaipu, recebem os componentes específicos do carro elétrico - motor, transmissão e baterias.

Autonomia é de 120 km

O Palio Weekend Elétrico está equipado com um pequeno motor que gera potência máxima de 15 Kw (20 cv) e torque máximo de 50 Nm (5,1 kgm). Com ele, o carro faz de 0 a 60 km/h em 9 segundos, chegando a uma velocidade máxima de 100 km/h.

O motor é refrigerado a água, o que permite uma redução significativa de suas dimensões e peso (41,5 kg). Funciona com corrente alternada e não tem escovas, o que garante grande durabilidade. A alimentação é feita por uma bateria de níquel e cloreto de sódio (sal), situada no porta-malas, que garante uma autonomia de 120 km com carga completa. A recarga total leva oito horas em qualquer tomada de três pinos de 220 V. Uma vantagem desse tipo de bateria é que pode ser 100% reciclada, evitando assim o problema de descarte de lixo.

Andar num carro elétrico, nas primeiras vezes, provoca uma certa ansiedade, principalmente pela ausência do ruído e vibração dos motores tradicionais. Ao ligar a chave, o único meio de saber que o carro está pronto para andar é a indicação no painel de instrumentos. O motor só gira quando se pisa no acelerador e o carro arranca, com muita suavidade.

Sem câmbio

O motor elétrico dispensa o uso da caixa de câmbio e a transmissão do carro tem apenas um redutor de engrenagens e o diferencial, que leva a força para as rodas dianteiras. A alavanca, que fica no lugar da tradicional, tem apenas três posições: neutro, drive e ré.

Uma curiosidade é que o carro tem um sistema elétrico de 12 volts tradicional, que alimenta os faróis, lâmpadas, rádio e outros acessórios.

A Fiat e a Itaipu pretendem completar 50 unidades do Weekend elétrico até o primeiro semestre do ano que vem. Atualmente existem 21 exemplares sendo utilizados pelas empresas parceiras no projeto, entre elas a KWO, AMPLA, CPFL, Copel, Eletrobrás e Cemig.

Não há previsão de abertura de vendas para o público e a principal barreira contra isto é o elevado preço do carro, cerca de R$ 140 mil. Os carros que circulam em Itaipu, que é uma zona livre de impostos, custam R$ 86 mil.

Interessado? Aguarde que um dia o futuro vira presente. (Auto Estrada)

Voltar