Projetos da Petrobras na Bacia de Santos são detalhados na Santos Offshore

A Petrobras apresentou, durante a Santos Offshore, a palestra “Como a Bacia de Santos transformou-se em uma sólida realidade”, realizada pelo gerente geral da Unidade de Negócio de Exploração e Produção da Bacia de Santos (UN-BS), José Luiz Marcusso, que abordou os projetos da Companhia na bacia.

Marcusso explicou como os projetos da Unidade vão colaborar para reduzir a dependência do Brasil de gás natural importado e para o fortalecimento da autossuficiência em petróleo. Demonstrou a importância do trabalho realizado pela Petrobras na Bacia de Santos e os projetos em andamento na região. Instalada no município de Santos desde janeiro de 2006, a UN-BS tem colaborado para o desenvolvimento da região e do setor de petróleo e gás de todo país.

Dentre os projetos citados, Marcusso apresentou informações sobre a plataforma de Mexilhão, prevista para entrar em operação entre maio e junho de 2010, com capacidade de produção de até 15 milhões de m³ por dia de gás e 20 mil barris por dia de condensado, além da Unidade de Tratamento de Gás Monteiro Lobato (UTGCA), em Caraguatatuba (SP), que também faz parte do Polo Mexilhão.

Marcusso também destacou que desde 25 de abril a Petrobras produz no campo de Lagosta, a cerca de seis quilômetros de Merluza, no litoral de Praia Grande, fornecendo gás de origem nacional para abastecer plenamente o mercado da Baixada Santista. Sobre Tupi, localizado no Polo Pré-sal da Bacia de Santos, mostrou que o Teste de Longa Duração (TLD) iniciado em 1º de maio deste ano, através do FPSO BW Cidade de São Vicente, está sendo realizado com excelentes resultados de produtividade do poço RJS-646.

O gerente geral afirmou que até o final de 2010 o projeto piloto de Tupi, com capacidade de produção de 100 mil barris por dia de petróleo e quatro milhões de metros cúbicos diários de gás natural, estará em operação com escoamento do gás em escala comercial para a UTGCA, que também receberá gás dos projetos de Mexilhão e de Uruguá-Tambaú. Sobre Uruguá-Tambaú, no Polo Uruguá, Marcusso informou que o FPSO Cidade de Santos estará operacional entre fevereiro e março de 2010, com capacidade de produzir 10 milhões de metros cúbicos diários de gás natural e 35 mil barris por dia de petróleo.

José Luiz Marcusso também citou duas descobertas, chamadas de Tiro e Sídon, ocorridas em 2008 em águas rasas do sul do estado de São Paulo. Essas áreas estão localizadas a cerca de 200 quilômetros de Ilha Comprida (SP) e de Itajaí (SC) e possuem volumes recuperáveis estimados em 150 milhões de barris de óleo equivalente. A produção das áreas será iniciada entre novembro e dezembro deste ano com um Teste de Longa Duração com capacidade de produção entre 10 e 20 mil barris por dia de óleo leve. O executivo também destacou que o projeto definitivo de Tiro e Sídon deverá operar a partir de 2012, sendo prevista uma produção de 100 mil barris por dia de petróleo, contemplando a futura integração dos campos de Caravela, no Paraná, e Cavalo Marinho, em Santa Catarina.

No que se refere à contratação de sondas, José Luiz Marcusso afirmou que hoje já somam dez unidades de perfuração com atividades na Bacia de Santos. Outras 12 sondas obtidas de licitação internacional serão recebidas até 2012, visando atender à necessidade de curto prazo da Petrobras enquanto a indústria nacional se prepara para as demais encomendas de 28 unidades a serem construídas no Brasil e operadas por empresas brasileiras, com recebimento entre 2013 e 2017.

Já sobre a nova sede da Bacia de Santos, foi reafirmada a mudança da Unidade para a sede definitiva no bairro do Valongo, em Santos (SP), que será construída em um terreno de 25 mil m² e que contará com três torres que comportarão duas mil pessoas cada. Segundo Marcusso, durante a implantação da nova sede, haverá cerca de 1200 pessoas trabalhando na obra. A sede da UN-BS também contará com um moderno centro de operações de toda a Bacia de Santos, além de um museu da história do petróleo e do desenvolvimento dessa importante bacia sedimentar brasileira.

Marcusso assegurou que a empresa continuará investindo pesado em exploração, contribuindo para que a meta de se produzir 1,8 milhão de barris de petróleo por dia em 2020 no pré-sal da Bacia de Santos seja atingida, com a garantia de contínuo crescimento da produção futura.

No dia 22, a Petrobras ainda apresentou duas sessões técnicas com representante do Cenpes – Centro de Pesquisas da Petrobras, sendo a primeira Caracterização Experimental e Validação Numérica de um Hidrociclone utilizando a técnica PIV, com Luiz Philipe Martins e a segunda sessão intitulada RSSA – Configuração de Riser Suspenso e Ancorado por Amarras, com Isaias Masetti. Logo depois a equipe de Cadastro, Aquisição e Gestão de Fornecedores ficou disponível para tirar dúvidas dos visitantes.

A Santos Offshore, maior feira de petróleo e gás do estado de São Paulo, aconteceu entre os dias 20 e 23 de outubro. Foram 250 organizações expositoras, sendo 20% só da região da Baixada Santista. A feira movimentou cerca de R$ 300 milhões durante os cinco dias de evento.


Fonte: Agência Petrobras/TN Petróleo, outubro/09

Voltar