Boletim mensal de acompanhamento da indústria de gás natural

APRESENTAÇÃO DO BOLETIM

Em outubro de 2009 o mercado de gás natural apresentou leve crescimento em relação ao mês anterior, basicamente em função da recuperação do consumo industrial, que cresceu cerca de 1,3 milhão de m³/dia. O volume de gás natural consumido no segmento térmico, comercializado pelas distribuidoras estaduais, apresentou aumento da ordem de 11%.


A produção de gás natural manteve-se estável em relação ao mês anterior, chegando a 59,45 milhões m³/dia. Na região Sudeste, observa-se a recuperação da produção de gás não associado no Espírito Santo, e a queda nos volumes de gás associado produzidos no Rio de Janeiro. A despeito de a produção ter permanecido estável, a oferta de gás ao mercado apresentou pequeno crescimento em relação ao mês anterior. Também ocorreu uma redução na queima de gás natural.


A importação de gás natural boliviano aumentou em 6,8%, totalizando 22,5 milhões de m³/dia. Para novembro esse volume poderá cair um pouco, em razão do baixo nível de despacho das usinas termelétricas a gás.


O gás natural vem paulatinamente recuperando competitividade econômica frente ao óleo combustível. Nesse sentido, observa-se que a partir de setembro, o gás natural apresenta-se mais vantajoso nos mercados dos Estados da Bahia e do Rio de Janeiro. Em São Paulo, o preço do gás natural para o segmento industrial para a faixa de consumo de 20.000 m³/dia, é praticamente igual ao do óleo combustível. Este desloca-mento no preço do gás natural reflete a sistemática de amortecimento de volatilidades, contido na regra dos contratos firmados com as distribuidoras.


No âmbito do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), destacamos o início da exportação do gás do campo Marlim Leste (área de Jabuti) para a P-40 e do gás produzido no campo de Camarupim - Área do ESS 164. No último mês foi concluída a URL III integrante do PLANGAS em Cabiúnas e entrou em operação o gasoduto Paulínia – Jacutinga.


Fonte: Equipe do Departamento de Gás Natural do MME, novembro/09

Voltar