Exxon compra especialista em gás de xisto

É a primeira grande aquisição da Exxon desde a fusão com a Mobil

A ExxonMobil fez uma grande aposta nas perspectivas de crescimento do setor de gás natural ao anunciar o acordo para comprar a XTO Energy por cerca de US$ 31 bilhões. Com a aquisição, a Exxon se transformará no maior proprietário de ativos de hidrocarbonetos não convencionais da indústria, de acordo com o diretor de relações com investidores da companhia, David Rosenthal.

Para a XTO, o novo acesso a capital resultante do acordo vai ajudar no desenvolvimento de reservas que permaneceriam inexploradas por um longo período, segundo o executivo-chefe da empresa, Bob Simpson. A aquisição, que inclui dívida, é a maior realizada no setor de energia desde a compra da Texaco pela Chevron, em 2001.

RESERVAS

A transação da XTO Energy, que é um grande player na extração de gás natural de fontes não convencionais nos EUA, como xisto, vai permitir à Exxon ter acesso a vastas reservas de gás natural e à tecnologia de ponta que a companhia vai usar para extrair gás de xisto em outras partes do mundo.

O acordo coloca um ponto final nas especulações sobre como a Exxon - que não fez qualquer grande aquisição desde a fusão com a Mobil, há 10 anos - poderia tirar vantagem dos baixos preços do gás para comprar empresas de energia menores e endividadas. A XTO cresceu bastante no último ano por meio de aquisições, contraindo dívidas durante o processo. A Exxon vai assumir US$ 10 bilhões em dívida da XTO como parte do acordo.

XISTO

O executivo-chefe da Exxon, Rex Tillerson, afirmou que a transação faz parte de uma "avaliação disciplinada sobre oportunidades de investimento adequadas em andamento". Ele acrescentou que as reservas e o conhecimento da XTO no segmento de fontes não convencionais na América do Norte vão complementar os ativos da Exxon nos EUA, Canadá, Polônia, Hungria e Argentina.

Grandes companhias de petróleo e gás estão se voltando para campos de xisto porque eles permitem a redução dos custos com o passar do tempo. O acesso a gás de formações rochosas de xisto gerou um boom na produção de gás dos EUA, impulsionando fortemente as reservas domésticas e contribuindo para uma queda nos preços desde meados de 2008.


Fonte: Dow Jones Newswires/ “O Estado de S.Paulo”, 15/12/09

Voltar