Boletim Mensal de Acompanhamento da Indústria de Gás Natural

Em novembro da 2009, o mercado de gás natural apresentou ligeira queda de 2% em relação ao mês anterior, basicamente em função da redução do consumo industrial nos Estados de São Paulo, do Paraná e do Espírito Santo e do consumo térmico nos Estados do Ceará e de Pernambuco.


A produção de gás natural manteve-se estável em relação ao mês anterior, chegando a 59,12 milhões m3/dia. Na região Sudeste, houve recuperação da produção de gás associado no Rio de Janeiro e queda nos volumes de gás associado produzidos no Espírito Santo e nos volumes do gás não associado produzidos em São Paulo. Na Região Nordeste, houve diminuição da produção de gás associado no Rio Grande do Norte e de gás não associado em Alagoas. A despeito de a produção ter permanecido estável, a oferta de gás nacional ao mercado apresentou pequeno crescimento em relação ao mês anterior.


A importação de gás natural boliviano diminuiu em 6,5%, totalizando 21,05 milhões de m3/dia, volume este que deverá permanecer estável em dezembro.


O gás natural vem paulatinamente recuperando competitividade econômica frente ao óleo combustível. Na faixa de consumo de 20.000 m3/dia, o gás natural já é mais vantajoso que o óleo combustível no Rio de Janeiro. Em São Paulo e na Bahia, o preço dos dois combustíveis em US$/MMBtu estão praticamente iguais.


No âmbito do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), destacamos a saída do FPSO Cidade de Santos do Estaleiro COSCO (Dalian-China) e a entrada em operação do campo de Golfinho Complementar. Quanto ao licenciamento ambiental, destacamos a emissão da Licença Prévia (LP) do Projeto da Tupi e a emissão da Licença de Pré-Operação para o gasoduto GASDUC III.


Fonte: Hermann Helinski de Araújo e outros, Depto de Gás Natural do MME, janeiro/09

Voltar