Inspeção pode melhorar em 30% o trânsito de São Paulo



Auto Informe

Andar de carro em São Paulo é um grande exercício de paciência. O motorista enfrenta, cotidianamente, uma imensa frota circulante, uma malha viária inadequada para uma cidade do porte de São Paulo. Os congestionamentos diários não têm mais horários definidos, de manhã ou final de tarde, e enlouquecem a vida do cidadão.

Um problema urbano que gera muito transtorno e prejuízo para milhões de pessoas que precisam se locomover todos os dias em São Paulo.

Insistimos no fato de que, se a malha viária não melhor na velocidade da nossa necessidade, nós, motoristas, temos uma contribuição fundamental para melhorar esse caos. O que pode ser feito é simples, como respeitar a sinalização, dirigir com cautela, manter o carro abastecido, buscar alternativas de trajeto e horário, entre tantas outras pequenas mudanças que podem fazer toda a diferença. Mas, fazer a manutenção preventiva de seu veículo para que o mesmo não quebre e fique parado nas ruas e avenidas da cidade, pode contribuir sensivelmente para reduzir os congestionamentos.

O balanço de 2009 da CET - Companhia de Engenharia de Tráfego, mostra que o número de veículos quebrados vem crescendo, em média, 20% ao ano. Dados de 2009 mostram que 18.777 veículos por mês apresentaram problemas mecânicos (45%), elétricos (17%), pneu furado (6%) e falta de combustível (1%). São 26 veículos quebrados a cada hora nas ruas e avenidas de São Paulo. E, a maioria dessas panes poderia ser evitada se o motorista fizesse regularmente a revisão de seu veículo, de preferência, em uma oficina de confiança para checar itens de segurança, emissões e ruídos que comprometem o funcionamento do veículo, a segurança do ocupante e a qualidade do ambiente como um todo.

Hoje o motorista só leva o veículo para fazer manutenção quando o mesmo já apresenta algum defeito e, assim, o transtorno e a despesa são muito maiores. Além de mais segura, a manutenção preventiva é 30% mais barata do que a corretiva.

Estudo inédito realizado no Brasil mostra que 30% dos acidentes de trânsito são provocados por algum problema mecânico do veículo. Se os veículos estivessem em boas condições, seria possível diminuir o número de acidentes e também reduzir os congestionamentos. Apenas um veículo quebrado em uma via como a Marginal Tietê pode provocar três quilômetros de congestionamento em apenas 15 minutos, tempo médio para a CET fazer a remoção.

O motorista precisa ter consciência desse problema e ajudar a melhorar o trânsito, sem falar na questão da segurança do veículo que é algo essencial para preservar vidas.

O Brasil é um dos poucos países que possui uma frota circulante expressiva (hoje tem mais de 28 milhões de unidades) e ainda não implantou a Inspeção Técnica Veicular que avalia mais 300 itens de segurança, ruídos e emissões.

Para não ir muito longe e dar exemplos bem sucedidos dos países chamados de desenvolvidos, nossa vizinha Costa Rica, com a implantação da Inspeção Técnica Veicular, conseguiu enquadrar a fatalidade dos acidentes de trânsito em níveis europeus, ou seja, 2,8 mortes a cada 10.000 acidentes. O Brasil ostenta a triste marca de 12,4 mortes a cada 10.000 acidentes. E, com a melhoria da qualidade da frota, o trânsito ficou muito mais humano!

A discussão sobre esse tema aqui no País é longa. Tem mais dez anos e não conseguiu avançar. Enquanto isso, continuamos nos deparando com veículos quebrados nas ruas e avenidas que atrapalham ainda mais o trânsito já caótico de São Paulo.

Por isso, precisamos contar com a boa vontade do motorista em preservar o veículo em boas condições de uso.

*Antônio Carlos Bento é coordenador do GMA - Grupo de Manutenção Automotiva, organismo que reúne entidades do setor de reposição de autopeças que criou o programa Carro 100% / Caminhão 100% que visa conscientizar o motorista sobre a importância da manutenção preventiva como forma de garantir mais segurança no trânsito. (Auto Informe/Antônio Carlos Bento)

Voltar