Projeto de regaseificação de GNL e da UTE Rio Grande em busca de LI

Bolognesi Participações fechou contrato com Omega Engenharia para executar os projetos de engenharia do terminal e da usina

A Bolognesi Participações, atual proprietária do projeto de regaseificação de gás natural liquefeito (GNL) e da termelétrica de Rio Grande, fechou contrato com a Omega Engenharia para executar os projetos de engenharia necessários à obtenção da licença de instalação (LI). Instalado junto ao porto de Rio Grande, no Rio Grande do Sul, o terminal terá capacidade inicial para processar seis milhões de metros cúbicos/dia, enquanto que a térmica terá 1280MW de potência instalada.

Entre outros itens, a Omega será responsável pelos projetos do arranjo geral da área, de movimentação do solo, impermeabilização e drenagem, canalização e tratamento de efluentes das plantas e da área de recebimento, transferência e tancagem do GNL, assim como pelos estudos e proposta de alternativas para a redução das emissões.

Com investimentos da ordem de US$ 1,3 bilhão, o empreendimento poderá ser implantado em aproximadamente três anos. A obra deve gerar entre 1500 e 2000 empregos. De acordo com a Omega Engenharia, esta será a primeira planta no Brasil a integrar regaseificação de gás natural liquefeito realizada em terra à produção de energia gerada em usina térmica associada.

Ainda segundo a companhia, a nova planta deverá contribuir para atender a demanda reprimida de gás, devido à impossibilidade de o gasoduto Brasil-Bolívia aumentar seu fornecimento. Além disso, a unidade deverá reduzir a dependência do Estado das grandes linhas de transmissão que o conectam ao restante do Sistema Interligado Nacional. 

Fonte: Agência CanalEnergia, dezembro/10

Voltar