Cacimbas consolida posição do E.Santo no segmento de petróleo e gás

Engevix concluiu no final do ano a Fase III da Unidade de Tratamento de Gás, localizada em Linhares, no Espírito Santo

A Engevix Engenharia concluiu em dezembro/10 o contrato com a Petrobras para a Unidade de Tratamento de Gás de Cacimbas (UTGC) - Fase III, localizada em Linhares, no Espírito Santo, um investimento de R$ 1,44 bilhão, que faz parte do Plano Nacional de Antecipação da Produção de Gás (Plangas).

Inaugurada, com seu Módulo 1, em fevereiro de 2006, a UTGC foi projetada, inicialmente, para tratar e disponibilizar ao mercado o gás natural produzido no Campo de Peroá, localizado no litoral norte do Estado. Com a entrada em operação do Módulo 2, a capacidade de produção de gás de cozinha (GLP) da UTGC passou para 1.800 t por dia, escoadas por duto para o Terminal Aquaviário de Barra do Riacho, em Aracruz (ES), para embarque em navios gaseiros que abastecem o mercado nacional. O segundo módulo da UTGC elevou a capacidade nominal de processamento para 9 milhões de m3 de gás natural por dia, consolidando a importância do Espírito Santo no abastecimento desse insumo energético para o mercado brasileiro.

Com a conclusão das obras do Módulo 3, a UTGC terá capacidade para processar diariamente até 16 milhões de m3 de gás natural, 2.700 t de GLP e 5.300 m3 de condensado.
A Engevix iniciou os trabalhos em Cacimbas em 2005, quando assinou o contrato com a Petrobras para a implantação do Módulo 2 do polo, na modalidade empreitada integral, o que representou um grande salto para a empresa neste setor.

Contrato extenso

No contrato em curso a Engevix ficou responsável pelos serviços de verificação da consistência do projeto básico do off-site e interligações, elaboração do projeto executivo, fornecimento de equipamentos e materiais, construção civil, montagem eletromecânica, condicionamento, assistência técnica à pré-operação, partida e operação assistida para os módulos 2 e 3, constituídos cada um de uma Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN) e uma Unidade de Processamento de Condensado de Gás Natural (UPCGN), além do off-site e interligações da ampliação do Polo de Processamento de Gás de Cacimbas (UTGC Fase III).

Vários softwares foram utilizados no desenvolvimento do projeto, os quais agregaram vantagens importantes, como a integração das informações entre as disciplinas, velocidade na geração de documentos, precisão nas informações técnicas, etc. Entre estes softwares destaca-se o PDS, software de detalhamento em 3 dimensões, o qual trabalha integrado com o PID (software de processos) e com o Intools (software de instrumentação), entre outros. A grande vantagem deste programa é permitir o desenvolvimento rápido do lay-out da planta, aproveitando definições prévias de especificações de materiais, permitindo facilmente a verificação de interferências, o que reduz significativamente os custos de possíveis retrabalhos e perda de material na obra.

Com relação à elaboração do projeto, um dos maiores desafios enfrentados pela empresa foi o gerenciamento do trabalho de todo o pessoal envolvido, não somente com o projeto em si, mas também com suprimentos e com a obra, de modo a fornecer, nos prazos previstos, os equipamentos e materiais necessários à montagem.

Outro ponto que representou complexidade foi o controle da documentação de projeto gerada para a implementação do empreendimento. O grande volume de documentos, associado à necessidade da disseminação das informações entre todos os envolvidos, exigiu um controle rígido e preciso da circulação desta documentação entre as disciplinas, com os fornecedores e também com o cliente Petrobras, de forma que o produto final estivesse dentro das especificações técnicas.

Mais de 5 mil trabalhadores

Na execução do empreendimento a Engevix destaca duas dificuldades principais: o acesso inicial ao canteiro de obras e a necessidade de captação de mão de obra local. A princípio não existia estrada de acesso pavimentada ao longo dos 50 km que separam a unidade em Cacimbas de Linhares, cidade mais próxima. Todo o deslocamento de materiais, incluindo equipamentos de porte, foi feito através de estradas rurais que passavam por dentro de fazendas. Em períodos chuvosos a estrada era praticamente intransitável e também era necessário abrir e fechar inúmeras porteiras de fazendas ao longo do trajeto. O empreendimento demandou vários estudos de logística do transporte aéreo vinculado ao terrestre, de modo a garantir o cumprimento do cronograma e entregar no site equipamentos como quatro válvulas HIPPs com diâmetro 24", #1.500, compradas na Holanda, com peso total de 35.200 kgf; além de componentes com comprimentos de até 36,2 m e pesos de até 72.000 kgf, com excessos laterais e de altura nas dimensões.

Durante o pico do empreendimento foram contratados cerca de 5.000 funcionários e a empresa comemora o fato de ter atingido a marca de 14 milhões de homens-hora sem acidentes. Para diminuir os impactos sociais gerados pela inserção dessas pessoas nas comunidades vizinhas, muitas delas ribeirinhas, a Engevix procurou ao máximo absorver a mão de obra local. Antes da contratação, foi necessário comprovar residência fixa nos municípios vizinhos por pelo menos cinco anos e os escolhidos passaram por diversos treinamentos para qualificação.

Coletor de condensado

O etapa mais significativa de montagem foi o coletor de condensado de Camarupim, com volume hidráulico de 3.500 m³, que tem como função receber o gás natural e o condensado associado da Bacia Marítima de mesmo nome e separá-los por diferença de densidade em duas frações: gás natural e condensado. O gás natural sai pelo topo do coletor e é enviado para as Unidades de Processamento de Gás Natural (UPGN's). Já o condensado sai pelo fundo do coletor e é enviado para as Unidades de Processamento de Condensado de Gás Natural (UPCGN's). Para armazenar os 3.500 m³ de condensado são necessários 16 tubos de 42 polegadas em aço carbono API 5L Gr. X70, espessura de parede de 1 polegada, com comprimento de 200 m, totalizando 3.000 t de tubulação, totalmente montada no canteiro de obras. A pressão de operação desse equipamento pode atingir 100 bar.

Unidade de Tratamento de Gás de Cacimbas - Fase III

Dados da obra
Proprietário: Petrobras
Localização: Linhares (ES)
Período de implantação: 13/03/2007 a 30/12/2010
Fase atual de execução: 98,05% (outubro/10)
Investimento: R$ 1,444 bilhão
Área construída: 192.800 m2
Área total: 793.123 m2
Volume de concreto: regularização - FCK 15 MPA: 4.552 m3 e FCK 30 MPA: 32.033 m3
Quantidade de aço: 2.055 t
Estrutura metálica: 1.500 t
Especificação do aço: CA 55 e 60

Principais fornecedores de serviços
Projeto básico: Petrobras
Projetos arquitetônico, estrutural, estruturas metálicas, fundações, elétrico/hidráulico, HVAC e Iluminação: Engevix Engenharia
Gerenciamento e fiscalização: Engevix Engenharia
Empreiteira principal de controle de qualidade da construção: Paranasa Engenharia e Comércio
Subempreiteiras: Geofix e Tracomal
Estruturas Metálicas: Python Engenharia e Equipamentos Industriais, Sidertec Estrutura Metálica e Metalúrgica Laranjeiras Indústria e Comércio
Montagem elétrica: União Engenharia, Fabricação e Montagem / Milplan Engenharia, Construções e Montagens/ Álvaro Aguiar Engenharia e Construções
Montagem mecânica: União Engenharia, Fabricação e Montagem / Milplan Engenharia, Construções e Montagens/ Álvaro Aguiar Engenharia e Construções

Principais fornecedores de equipamentos e materiais
Cobertura: Python Engenharia e Equipamentos Industriais e Sidertec Estrutura Metálica
Concreto estrutural: Paranasa Engenharia e Comércio
Aço estrutural: Belgo Mineira
Fôrmas e escoramentos: SH Formas, Andaimes e Escoramento
Pré-moldados para estrutura e fechamento: Paranasa Engenharia e Comércio
Equipamentos de ar condicionado e ventilação: Constarco e Heating & Cooling
Equipamentos elétricos: ABB, Siemens, Waltec e Arteche
Sistema de automação predial: Yokogawa, Kidde, Fluxo e Setha
Forros: Isover, Suvinil
Divisórias: Diplomac
Revestimento de fachada: Suvinil, Quartzolit e Portobelo
Vidros: Saint Gobain
Esquadrias/venezianas: Alcoa
Pisos: Portobelo, Fademac e Polipiso
ETA e ETE: Paranasa Engenharia e Comércio

Fonte: http://www.gasnet.com.br/conteudos.asp?cod=10723&tipo=Artigos&categoria=11

Voltar