Apesar do consumo decrescente, saiba tudo sobre GNV – gás natural veicular

Qual a especificação do gás natural veicular (GNV)?

A Resolução ANP nº 16, de 17.6.2008, estabelece a especificação do gás natural, de origem nacional ou importado, a ser comercializado em todo o território nacional.

Por que existe um limite de pressão máxima de abastecimento? Quais os problemas caso se abasteça a uma pressão maior?

O inciso III, Art. 14, da Portaria ANP nº 32, de 6 de março de 2001, estabelece que o revendedor varejista de GNV obriga-se a disponibilizar GNV ao consumidor final a pressão máxima de abastecimento de 220Kgf/cm², equivalente a 215,7bar, 21,57MPa ou 3129,14psi. A Resolução ANP nº 34, de 4 de dezembro de 2006 foi editada com vistas à segurança do consumidor, por isso só trata da pressão máxima de abastecimento de GNV. A pressão de abastecimento deve ser de 200 kgf/cm² ± 10%, ou seja, deve variar entre 180 e 220 kgf/cm².

Nunca abasteça com pressão superior a 220 kgf/cm². Acima desta pressão pode haver redução da vida útil do cilindro e do restante dos componentes do kit de conversão. Ainda que a grande maioria dos acidentes em postos de GNV seja causada pela má instalação ou instalação clandestina de kits de gás natural, com válvulas não homologadas e/ou uso de botijões de GLP ou de gás freon que não resistem à pressão fixada pela ANP, a medida vai aumentar a segurança do abastecimento de GNV em todo o país.

Por que não é estabelecida uma pressão mínima de abastecimento? Quais os inconvenientes de um abastecimento com baixa pressão?

O objetivo da Resolução ANP nº 34, de 4 de dezembro de 2006 foi resguardar a segurança do consumidor, por isso só tratou da pressão máxima de abastecimento de GNV. A pressão de abastecimento deve ser de 200 kgf/cm² ± 10%, ou seja, de 180 a 220 kgf/cm².

Um abastecimento com pressão menor que 180 kgf/cm² poderá ter como conseqüências a diminuição da venda unitária do posto de revenda, uma vez que vai entrar menos gás no cilindro, e a menor autonomia do automóvel, pelo mesmo motivo.

Percebe-se que a pressão baixa prejudica tanto o posto, por reduzir as suas vendas, quanto o consumidor, principalmente os grandes usuários (ex. taxistas e frotistas), por ter que retornar mais cedo a um posto de revenda para novo abastecimento, ou por ter que fazer maior número de abastecimentos para obter a mesma autonomia. Além disso, se a pressão baixa for generalizada, pode provocar um aumento do tempo de espera para abastecimento, em outras palavras, maiores filas, já que os automóveis terão que reabastecer mais vezes.

É obrigatório sair do carro durante o abastecimento com GNV? Por quê?

Não há legislação que obrigue os ocupantes a sair do veículo durante o abastecimento. Porém, este é um dos cuidados básicos que se deve tomar em todos os abastecimentos com GNV, com vistas à segurança do consumidor.

Os seguintes cuidados devem ser tomados em todos os abastecimentos:

- Desligar o motor,

- Não fumar,

- Desligar o telefone celular,

Os cuidados abaixo são específicos para os abastecimentos com GNV:

- Desligar os faróis e todos os equipamentos eletrônicos,

- Sair do veículo,

- Abrir as portas e o porta-malas.

Estes procedimentos são universais e visam a segurança, uma vez que os combustíveis comercializados em postos de revenda oferecem riscos à saúde das pessoas.

É obrigatório o uso de fio terra (aterramento) nas bombas de GNV?

Sim, o frentista deverá fazer o aterramento junto à válvula de abastecimento. Este é mais um procedimento que deve ser seguido em um abastecimento com GNV, com vistas à segurança do consumidor.


É possível adulterar o GNV? Existe algum teste de qualidade para este produto?
O GNV é um combustível de difícil adulteração. As análises de qualidade do gás natural são efetuadas antes da sua distribuição.A Resolução ANP nº 16, de 17.6.2008, estabelece a especificação do gás natural, de origem nacional ou importado, a ser comercializado em todo o território nacional. No seu conteúdo está previsto o envio de dados de análise da qualidade do gás natural realizadas tanto pelo Carregador (pessoa jurídica que contrata o transportador para o serviço de transporte de gás natural) como pelo Transportador (pessoa jurídica autorizada pela ANP a operar as instalações de transporte - dutos de transporte de gás natural, suas estações de compressão ou de redução de pressão, bem como as instalações de armazenagem necessárias para a operação do sistema).

Como saber se uma oficina é autorizada a fazer a instalação do kit GNV no meu veículo?


A relação das instaladoras registradas do sistema GNV encontra-se disponível no site do Inmetro ( http://www.inmetro.gov.br/infotec/oficinas/). Trata-se da base de dados das empresas instaladoras de sistema de Gás Natural em veículos automotores, registradas pelo Inmetro em todo o Brasil.


Ao adquirir um carro que utiliza o combustível GNV, como saber se o cilindro e suas instalações estão em ordem ou foram feitas de forma adequada?


A segurança do kit e dos cilindros está garantida pelo sistema de controle de qualidade, pelos certificados de qualidade, pelo selo do Inmetro, pelo adesivo colado nos cilindros e pelo Certificado de Conformidade que acompanha todos os cilindros. Verifique em uma oficina instaladora registrada pelo Inmetro o equipamento instalado em seu veículo.


Qual a vida útil dos cilindros de GNV? Existem testes de qualidade que devem ser feitos periodicamente?

Existe a obrigatoriedade de se revalidar o uso do cilindro por meio da inspeção periódica a cada cinco anos, a partir da data de fabricação ou caso ocorra corrosão (ferrugem), danos por causas térmicas (incêndio no veículo, por exemplo) ou mecânica (amassados, pancadas), ou, ainda, quando houver transferência do cilindro de um veículo para outro. A partir deste momento a segurança deste produto depende de cuidados específicos que o usuário deve tomar durante o seu uso.


Por que em minha cidade não existem postos que comercializam GNV?


A comercialização de GNV depende de acordo entre a concessionária estadual de gás natural e a prefeitura do município. A cidade precisa ser atendida por rede de gás natural, ou então a concessionária deverá promover a expansão da rede no município, para atendimento aos mercados residencial, comercial, industrial e de postos de GNV.


Existe alguma outra forma de distribuição do GNV aos postos revendedores que não seja através de gasodutos?


As localidades que não são atendidas por rede de gás natural, ou em que a concessionária estadual de gás natural não possui projeto de expansão da rede no município, podem ser abastecidas com carretas feixe de gás natural comprimido (GNC). Também conhecido como “gasoduto móvel” ou “gasoduto virtual” o transporte de GNC permite flexibilidade de abastecimento, com atendimento a localidades isoladas, representando uma alternativa de suprimento, complementando os canais existentes. Esta alternativa mostra-se viável para atendimento em um raio de até 150km de distância da unidade de compressão de gás natural.A Resolução ANP nº 41, de 5.12.2007 regulamenta as atividades de distribuição e comercialização de gás natural comprimido (GNC) a granel e a construção, ampliação e operação de unidades de compressão e distribuição de GNC.

Como constituir um posto revendedor que só comercialize GNV ou incluir GNV em um posto revendedor já autorizado a comercializar combustíveis líquidos?

Além das licenças necessárias junto à Prefeitura e ao Governo do Estado, entre outros regulamentos e normas do INMETRO, ABNT, Conama e MME, é exigido o atendimento dos requisitos estabelecidos pelas portarias federais abaixo:


• Portaria ANP nº 116, de 5 de julho de 2000, – que regulamenta o exercício da atividade de revenda varejista de combustível automotivo;

• Portaria ANP nº 32, de 6 de março de 2001 – que regulamenta o exercício da atividade de revenda varejista de gás natural veicular – GNV em posto revendedor que comercialize exclusivamente este combustível

Fonte: Suporte Postos/Sindcomb Notícias, março/11

Voltar