Seminário sobre Petróleo & Gás Natural em Vitória

O 1º Seminário Energia, realizado pela Assessora, nesta quarta-feira, dia 21 de novembro, reuniu um público de mais de 600 pessoas no Centro de Convenções.

Foram cinco horas de evento, e seis palestras que nortearam o tema Petróleo & Gás Natural e Energia no Espírito Santo - Perspectivas, Oportunidades e Empregabilidade.


Veja as fotos do Seminário no clique de Cacá Lima em: http://picasaweb.google.com/cgalima/SeminarioEnergia

Abertura
A abertura contou a presença do secretário de Estado de Ciência e Tecnologia, Rogério Silveira de Queiroz. Segundo ele, seminários são ferramentas importantes para que a questão energética do Estado e as formas adequadas de utilização dos recursos naturais sejam avaliadas.

“Vivemos uma necessária mudança no perfil de consumo de energia. Precisamos mudar costumes, e essa tomada de posição não pode ser apenas publicitária, mas também técnica e, sendo assim, passa por debates”

Futuro
Rogério Silveira também destacou que neste momento de boas notícias, de descobertas de reservas petrolíferas, é preciso levar o foco para discussões sobre o futuro dessas reservas e sobre as tecnologias que precisam ser desenvolvidas.

“O Governo do Estado tem se empenhado em produzir resultados delineantes e políticas claras para o desenvolvimento do Espírito Santo”, disse

*
Vento
A diretora geral da Agência de Serviços Públicos de Energia do ES – ASPE, Maria Paula Martins, durante sua palestra “Perspectivas do segmento energético no Espírito Santo. "Energias Renováveis e o Mercado de Bioenergia”, declarou que o Governo do Estado tem interesse em investir na geração de energia eólica.

Segundo ela, ainda não existe estudos completos, mas uma parceria entre Governo do Estado e Escelsa está trabalhando na atualização de um atlas eólico.

“Atualmente, os dados nos levam a crer que o potencial do ES comparado a média nacional não é bom. Temos que estudar para verificar se as condições do estado permitem, e como, o aproveitamento eólico de forma eficiente. Diferente da energia solar, onde já sabemos que há bons resultados em consumo doméstico”, pontuou.

*
Diagnóstico
A gestora do Petróleo e Gás Natural do Sebrae-ES, Ana Karla Macabu, falou sobre a geração de oportunidades para novos negócios criada para atender a demanda das empresas criadoras de energias.
“O fornecimento estadual cresce na área de serviços, mas o fornecimento de bens ainda é precário para o desenvolvimento da indústria capixaba. Existe o bem e ele está sendo comprado de outros estados. É preciso que a rede de fornecedores locais desenvolva ou absorva tecnologia. O Sebrae-ES acredita que isso pode ser possível via a criação da Rede Petro e via parcerias com fornecedores com experiência no mercado, como as empresas de Macaé”.

*
Vagas sem donos
A grande demanda de mão-de-obra qualificada e a falta de profissionais com o perfil exigido pela Cadeia do Petróleo foram alguns dos pontos abordados pelo coordenador do Prominp no ES, Guido Bassoli, na palestra “Qualificação Profissional para o mercado de petróleo e gás - O papel do Prominp”.

De acordo com Guido, os novos projetos da Petrobras criarão uma demanda de aproximadamente 112,6 mil novos profissionais com qualificação no Brasil. Destes, 85,1 mil está no setor de construção e montagem; 14,2 mil no de construção; 7,2 mil no de manutenção e 6 mil no de engenharia.

ES
No Espírito Santo o número estipulado é de cerca de 5 mil novas vagas. O índice é semelhante ao da Bahia e ao de Minas Gerais. Já São Paulo e Rio de Janeiro, precisam de, respectivamente, 26,8 mil e 25,5 mil novos profissionais prontos para o mercado.

Prominp
O terceiro ciclo do Prominp será lançado no primeiro trimestre de 2008, com foco em qualificação para áreas de operação e manutenção. Serão oferecidos cursos para, por exemplo, ajudante de cozinha, pintor, plataformista, operador de sonda de perfuração e de movimentação de carga, caldeireiro, eletricistas e desenhistas-projetistas.

Compras
Sobre conteúdo local, Guido ressaltou que as compras do sistema Petrobras no Espírito Santo, em 2007, serão equivalentes a R$ 2,3 bilhões em serviços e bens. “Do montante, 50% é aplicado no próprio ES. A outra metade fica dvidida em diversas partes do país”.

*
Arregace as mangas
O Presidente do CDMEC, Fausto Frizzera Borges, falou sobre "A absorção de mão-de-obra pelas empresas do MetalMecânico" e incentivou os presentes a serem empreendedores. “O mercado precisa de gerentes, supervisores, empreendedores. Falta mão-de-obra no Brasil, mas é de profissional que estuda, se qualifica, sai da zona de conforto e vai à luta”.

Já o diretor superintendente da Cheim Petróleo, José Carlos Chamon, deu seu depoimento sobre posição da primeira empresa capixaba que produzirá petróleo.

A língua do negócio
O gerente de Operações do FPSO Cidade de Vitória, da Saipem (Eni Group), Stefano Vozza, falou sobre a experiência da companhia no Espírito Santo e classificou a fluência em inglês como requisito imprescindível para fazer parte da equipe.

“Não é saber falar inglês só pela comunicação. A razão é muito mais forte. Envolve até mesmo a segurança da operação. Trabalham embarcados muitos profissionais de lugares diferentes do mundo, se não houver compreensão de uma ordem, por exemplo, entra em risco todo o processo. Isto é muito sério. Se a pessoa pensa que quer trabalhar no setor de petróleo tem que estudar inglês”.

Oportunidade
Ao final de sua palestra, Stefano disponibilizou um endereço eletrônico para envio de currículos.

Anota aí: curriculum.vitoria@saipem.eni.it

Voltar