Inspeção de carros de passeio só em 2014

A partir de abril, ônibus, caminhões, carros oficiais e táxis terão de passar pelo controle de emissões

Imagem Exemplo Imagem Exemplo
foto: Bernardo Coutinho
Caminhão emite poluição do cano de descarga. O Iema apresenta Plano Estadual de Controle da Poluição Veicular para reduzir a emissão de gás carbônico. - Editoria: Cidades - Foto: Bernardo Coutinho
Fiscalização de carros a diesel começa ano que vem
Frederico Goulart

Foi marcado para abril do ano que vem o começo do Programa de Inspeção e Manutenção dos Veículos em Uso do Estado - também chamado de inspeção veicular -, que vai avaliar se a emissão de poluentes dos carros que circulam no Espírito Santo está dentro dos padrões. Porém, os veículos particulares estarão de fora da fiscalização.

Pelo menos até 2014, somente automóveis movidos a diesel - como ônibus e caminhões -, carros do Governo do Estado e táxis que circulam na Grande Vitória serão obrigados a passar pelo controle, que será anual. Quem não for aprovado terá o licenciamento bloqueado.

Em três anos, o Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema), órgão responsável por elaborar o plano, fará um novo Inventário de Fontes da Grande Vitória -, semelhante ao que foi concluído em maio passado e que deu origem ao projeto - para avaliar se há a necessidade de incorporar veículos privados.

Segundo o diretor-presidente do Iema, Aladim Fernado Cerqueira, seria impossível atender bem a maior parte dos cidadãos se toda a frota fosse alvo de fiscalização. "Nesse começo precisamos fazer um trabalho planejado", diz.

Até que a inspeção comece a funcionar, será elaborado um convênio entre a Secretaria de Meio Ambiente (Seama) e o Departamento de Trânsito do Espírito Santo (Detran) que vai determinar as questões práticas como qual será o valor do trabalho e onde ele será oferecido. Em São Paulo o custo da inspeção chega a R$ 53.

A inspeção veicular faz parte do Plano de Controle da Poluição Veicular (PCPV), elaborado pelo Iema, que também prevê a ampliação da oferta e melhoria da qualidade do transporte coletivo, incentivo a reciclagem de veículos e ampliação de ciclovias no Espírito anto.

Risco menor
40 vezes menos - Essa é a quantidade de poluentes que um veículo novo emite a menos que os produzidos antes da lei.

Quase 250 mil veículos estão fora do padrão no Estado

Cerca de 245 mil veículos circulam no Estado emitindo mais gases poluentes do que o aceitável. Esse é o número da frota de carros fabricados antes de 1993, quando a lei federal mudou e estabeleceu um controle mais rígido.

Apesar do número ser grande, percentualmente ele cai a cada ano. Hoje, 81% dos automóveis registrados no Detran estão sob o novo padrão, devido ao aumento na venda de carros zero quilômetro. A lei da década de 90 prevê que os veículos já saiam de fábrica causando menos danos ao meio ambiente.

Segundo o professor de Mecânica Automotiva do Senai, Erisson Freire de Abreu, a partir dessa época os novos carros passaram a conta com sistema de injeção eletrônica, que apresenta equipamentos - como sensores e catalizadores - responsáveis pela queda na emissão de gases, diferentemente dos carburadores antigos, que não atingiam uma queima associada a uma quantidade ideal de ar.

Entre os poluentes emitidos pelos veículos estão o Ozônio (O3), Dióxido de nitrogênio, Dióxido de enxofre (SO2) e Monóxido de carbono (CO), que diminui a capacidade do sangue de transportar oxigênio.

Dicas para contribuir com a qualidade do ar

Mesmo um carro novo pode poluir mais, dependendo de como o motorista dirige. Confira algumas medidas para diminuir a emissão de gases:

Turbo: Se o carro é mais veloz, ele consome mais e, consequentemente, polui mais. Os carros menos potentes são também os menos poluentes

Tanque cheio: Na hora de abastecer o veículo, encha o tanque todo de uma vez e consuma o que tem até chegar próximo da reserva. Assim você evita muitas idas ao posto, gastos desnecessários com pequenos abastecimentos e desgaste da bomba de combustível

Sem peso: Outra dica é não andar com o carro muito pesado ou, pelo menos, retirar do veículo pesos desnecessários. Quanto mais pesado o carro, maior o consumo de combustível

Arranque: O mesmo vale na hora de arrancar com o veículo: vá devagar, suave. O momento de maior consumo acontece quando o motorista sai com o carro

Manutenção: Não deixe de verificar as condições do veículo, como filtros de ar e combustível obstruídos, válvulas injetoras sujas e velas de ignição desgastadas. A falta de uma manutenção adequada aumenta consideravelmente o consumo de combustível

Fonte: Jornal A Gazeta

Voltar