Alunos andam 2 km no escuro por falta de transporte escolar

Três vans escolares foram trocadas por um único ônibus e alunos têm que desembarcar em rodovia.O estudante Geovani Martins Salvador, de 11 anos, sente-se aliviado quando chega da escola. Desde que as três vans escolares foram substituídas por um único ônibus, há cerca de um mês, em Aracruz, Norte do Estado, ele passou a percorrer no escuro o trajeto de dois quilômetros entre a ES 124, onde desembarca, e a casa dele, na região de Retiro. O transporte atende cerca de 60 crianças da área rural.

São três porteiras, um mata-burro e algumas ladeiras até chegar em casa. A mãe do menino, Maurina Salvador Blank, diz que o filho chegava em casa quando estava escurecendo e, agora, só volta depois das 19 horas. "Antes tinha a van que passava, trazia, era mais rápida a viagem. Agora, o ônibus vai passando em tudo quanto é lugar". O neto dela, Kaio, 4 anos, também faz o trajeto com Geovani.

A doméstica Camila Salvador da Silva, mãe de Kaio e irmã de Geovani, costuma ir às margens da rodovia também no escuro, esperar os dois.

Após saírem da aula, na Escola Abílio Correia de Amorim, no bairro São Marcos, às 17h30, eles aguardam o transporte na porta da escola.

A dona de casa Daiana de Paula Nascimento, que tem dois filhos estudando na instituição, diz que as crianças mais prejudicadas são as de Taquaral, Peladinho e Retiro, pois são os últimos pontos de parada. Ela afirma que os pais não foram avisados sobre a mudança no transporte. "Eles colocaram esse ônibus e não avisaram".

Protesto
No início da tarde de ontem, mães de alunos fecharam a ES 124 como forma de protesto porque o ônibus não teria passado em alguns locais. Elas reivindicavam uma solução para o transporte escolar do município.

Segundo elas, a prefeitura informou que iria realizar uma fiscalização no ônibus e que, por causa disso, as crianças que estudam no período da tarde não teriam como ir para a escola. Revoltadas com a situação, decidiram parar o ônibus que retornava com as crianças da manhã e fecharam a rodovia com madeiras e galhos de árvores.
Prefeitura diz que troca foi pedida por Tribunal de Contas.A secretária de Educação de Aracruz, Acácia Amaral, diz que a substituição dos veículos foi uma recomendação do Tribunal de Contas.

Em agosto de 2014, o município foi notificado pelo Tribunal de Contas e recebemos algumas recomendações para fazer a nova licitação. Um dos critérios é a questão da economia. Onde nós tínhamos três carros fazendo o mesmo percurso, pediram que colocasse um único veículo".

Autor: Samira Ferreira | online@redegazeta.com.br

Voltar