Gás Natural Veicular: por que não?

Em tempos de crise econômica, poupar dinheiro e se preocupar com a relação custo-benefício têm feito, cada vez mais, parte do cotidiano dos motoristas, principalmente na hora de escolher um carro ou a cada ida ao posto de combustível.

O Gás Natural Veicular (GNV) tem sido uma alternativa de economia. Além de ser mais barato, render mais e ter um consumo menor do que o álcool e a gasolina, o GNV gera um baixo índice de poluentes atmosféricos em comparação aos combustíveis fósseis. Mesmo com tantas vantagens, por que será que tanta gente ainda olha desconfiado para o combustível?

Embora a Petrobrás produza grande quantidade de gás natural, o consumo tem aumentado tanto nos últimos anos, que o Brasil necessita importar da Bolívia. A Fiat é uma das empresas que já corroboram com o uso do GNV. Um exemplo é a versão Tetrafuel do Fiat Siena, popular entre os taxistas, que sai de fábrica com o kit de gás natural instalado.

Mecânica- A principal diferença entre um carro com gás e outro com combustível líquido é uma pequena redução na potência, por causa da quantidade de ar no momento da combustão. Além de aumentar também a facilidade da partida a frio do motor.

Resolução -A rede de distribuição ainda é pouco eficiente, com raros postos de combustíveis nas estradas ou mesmo nas cidades, o que faz o preço oscilar bastante. Os postos revendedores de GNV têm que informar de maneira clara ao consumidor a pressão máxima de abastecimento de veículos que utilizam esse combustível. O valor máximo da pressão de 220kgf/cm² tem que ser fixado na bomba, para evitar que o consumidor seja induzido a erro pelos postos que anunciam vantagens num abastecimento com pressão superior a este limite.

Benefícios:
- Redução nos gastos com combustível (60% em média);
- Prolongamento da vida do motor;
- Maior intervalo na troca das velas, óleo lubrificante e tubos de escapamento.

Rendimento
Etanol 7 km/l
Gasolina 10 km/l
GNV 14 km/m3

Consumo mensal
Etanol 143 l
Gasolina 100 l
GNV 71 m3

Fonte:Vrum - Diário de Pernambuco
Postado em 14 setembro 2015

Voltar