Oscilação do preço do álcool provoca reclamação de consumidores

Próximos da chegada do fim do ano, uma das maiores reclamações dos consumidores é relacionada ao aumento no preço dos combustíveis. O recente reajuste e as oscilações que aconteceram no preço do álcool este ano fizeram com que as atenções se voltem para ele, esquecendo dos reajustes da gasolina e do gás natural veicular (GNV).

Após ter valores que variaram de R$ 1,68, registrado no primeiro mês do ano, e chegando a R$ 1,89, no mês de março, o valor do álcool hoje está mais baixo, em torno de R$ 1,74. O preço atual dá continuidade à oscilação realizada no decorrer do ano.

Para o motorista Alfredo Silveira, 41 anos, que optou na compra de um carro total flex, que possibilita o uso tanto da gasolina quanto do álcool, os preços confundiram os consumidores e, muitas vezes, deixaram de ser vantajosos. “Quando compramos o carro flex pensamos na economia, mas em alguns períodos do ano deixou de ser vantajoso abastecer com o álcool. Na minha opinião o preço continua alto, porém se o valor atual se mantiver ainda será lucrativo abastecer com o produto, mas caso aumente novamente será um absurdo”, falou.

O gerente de um posto de gasolina localizado no Centro, José Luiz Tavares, garantiu que não existe previsão para um próximo aumento. “Este ano houve cerca de três aumentos, mas agora não temos nenhum reajuste anunciado”, disse.

José Luiz informou também que o consumo do álcool ainda é o menor, comparado a gasolina e ao GNV.

Voltar