Acordo da comgás e petrobras regulariza fornecimento

A assinatura de novos contratos de fornecimento de gás natural entre a Comgás e a Petrobras, ocorrida nesta terça-feira, dia 18 de dezembro, permitirá a regularização do mercado atual da concessionária de gás canalizado. "A Comgás investiu significativamente em sua rede, acompanhando o crescimento da economia. Essa situação de demanda crescente levou que alguns volumes entregues estão descontratados", explicou o presidente da companhia de gás que atende o Estado de São Paulo, Luis Domenech.

Além disso, o executivo afirmou que o acordo também garante a renovação do contrato firme de gás nacional que venceria este mês. "Agora, ele está sendo renovado por cinco anos", disse. Segundo o diretor vice-presidente de mercado de grandes consumidores, GNV e suprimento de gás, Sérgio Luiz da Silva, o mercado da Comgás consome 1,4 milhão de metros cúbicos (m³) por dia de gás acima da oferta contratada.

De acordo com o executivo, a oferta contratual da companhia é de 12,4 milhões de m³/d, dos quais a Petrobras fornece 3 milhões de origem nacional e 8,75 milhões importados da Bolívia e a British Gas (BG) supre mais 650 mil m³/d também de gás boliviano. O acordo firmado com a Petrobras regulariza essa situação. A concessionária assinou três novos contratos com a estatal.

Na avaliação da diretora de Gás e Energia da Petrobras, Maria das Graças Foster, o contrato firmado com a Comgás garante uma segurança à estatal no que diz respeito ao retorno dos investimentos praticados. "O setor de gás natural é intensivo em capital. Para que os investimentos tenham continuidade, são necessários contratos que respaldem a companhia. Esses acordos trazem mais segurança para o produtor de gás e para o carregador", comentou.

A executiva explicou que o volume de gás adicional de 3 milhões de m³/d para a Comgás será suprido pela produção da Bacia de Santos, Campos e Espírito Santo, além da otimização da infra-estrutura de transporte, que permitirá o remanejamento da oferta de gás pelas diversas regiões produtoras do País.

Fonte: A Tarde Online

Voltar