Novos contratos garantem abastecimento de GNV

Com a assinatura de três novos contratos entre a Petrobras e a Comgás, estará garantido o suprimento de gás natural no Estado de São Paulo, a partir de primeiro de janeiro de 2008. Pelos novos contratos, assinados ontem, em São Paulo, ficou estabelecido o fornecimento de mais 6 milhões de metros cúbicos/dia. Atualmente a Petrobras fornece a Comgás 8,75 milhões de metros cúbicos/dia de gás natural boliviano. No total a distribuidora paulista receberá, a partir do próximo ano, 14,75 milhões de metros cúbicos/dia.

Na primeira modalidade, com o volume estabelecido, a Comgás através do contrato firme de compra e venda de gás natural, o suprimento de gás natural não pode ser interrompido. Este é o modelo aplicado pela Comgás em seus compromissos de compra e venda de gás natural nacional e que terminaria no próximo 31 de dezembro. Nesta modalidade, o fornecimento pela Petrobras, que antes era de 3 milhões de metros cúbicos diários, será pelos próximos cinco anos de 3,5 milhões de metros cúbicos.
"Já iniciando a disponibilidade para novos volumes, vamos manter os planos de expansão. Entendemos que a indústria vai precisar de mais volumes, a partir de 2010", disse Sérgio Luiz da Silva, vice-presidente de mercado da Comgás.

Numa outra modalidade, que é o contrato firme de compra e venda de gás natural, o suprimento de gás natural pode ser racionado pela Petrobras. Porém, os clientes da distribuidora paulista que consomem grandes volumes e utilizam equipamentos bicombustível, serão acionados. Dos 982 clientes industriais da Comgás, 40 já usam máquinas que podem substituir o gás natural pelo o óleo diesel. "Caso ocorra essa necessidade, a Petrobras assume os custos financeiros com a Comgás e com nossos clientes", explica Silva. O volume contratado corresponde a 1 milhão de metros cúbicos/dia, dos quais, 600 mil metros cúbicos/dia estarão sujeitos a substituição, a partir de abril e o restante a partir de julho de 2008. O prazo para o início e validade deste contrato é igual ao anterior.

A outra modalidade, que é o contrato interruptível de compra e venda de gás natural estabelece o fornecimento de um volume opcional de gás natural de até 1,5 milhões de metros cúbicos/dia, também para os clientes bicombustível. Porém, neste caso, se ocorrer interrupção ou a substituição do combustível, os clientes é que arcarão com os custos. O prazo de vigência desse contrato é de três anos contados a partir de 1 de janeiro de 2008.

"Este modelo já foi aplicado recentemente pela Comgás. E, dos 40 clientes que usam bicombustível, apenas sete fizeram a substituição", disse o executivo da Comgás.
O contrato que a Petrobras tem hoje com a Comgás é para o fornecimento de 12,4 milhões de metros cúbicos/dia, 3 milhões são do mercado nacional e 8,75 milhões importados da Bolívia, além dos 650 mil metros cúbicos/dia ofertados pela British.

Fonte: Gazeta Mercantil

Voltar